Publicações
Notícias
12 / Jan / 2021
Importador de combustível diz que Petrobras tem preços

Importador de combustível diz que Petrobras tem preços "predatórios" e vai ao Cade .

A Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom), protocolou na sexta-feira (8), novo ofício no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) alertando sobre o que considera práticas de preços de combustíveis “predatórias” pela Petrobras (PETR3; PETR4).

Segundo o presidente-executivo da Abicom, Sérgio Araujo, a medida ocorreu porque há “fortes indícios” de que o governo Bolsonaro está interferindo nos preços da Petrobras, “com prejuízos para importadores e acionistas”. Procurado, o Ministério de Minas e Energia disse que “os preços de combustíveis no Brasil são livres e acompanham as tendências de mercado”.

Mas, segundo Sérgio Araujo, a situação está “insuportável” para importadores de combustíveis, pois há defasagem de preços de diesel e gasolina da Petrobras ante o mercado global, o que prejudica negócios de empresas privadas.

De acordo com dados da Abicom, a defasagem média do preço do diesel está em 0,22 real por litro, enquanto a da gasolina se encontra em 0,31 real. À Reuters, ele disse até que “havia expectativa de todo o mercado de que os preços seriam ajustados na sexta-feira (8)”, o que não ocorreu.
Sérgio afirma que o novo ofício protocolado no Cade traz mais informações sobre as práticas da Petrobras, sem detalhar. O Cade disse que recebeu o ofício da Abicom e está analisando o documento.

A Reuters contactou a Petrobras, mas não foi possível obter uma resposta imediata. A gestão atual da Petrobras defende que seus preços seguem a chamada paridade de importação, impactada por fatores como as cotações internacionais do petróleo e o câmbio.

Autor/Veículo: Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis).

Comente essa publicação

Fale Conosco