Publicações
Notícias
29 / Abr / 2021
Por que o Brasil ainda importa petróleo mesmo sendo autossuficiente no segmento?

Por que o Brasil ainda importa petróleo mesmo sendo autossuficiente no segmento?

O Estado Brasileiro passou a ser considerado autossuficiente em petróleo há aproximadamente 15 (quinze) anos, o que significa que a sua extração e operação diária vai além do consumo.

Segundo os últimos levantamentos feita pela ANP (Agência Nacional de Petróleo), no último ano, o país produziu aproximadamente 03 (três) milhões de barris por dia. A dúvida então é: por que ainda importamos os recursos?

A primeira causa vem justificada na dificuldade de refinar o petróleo extraído em solo nacional, isto porque grande parte das refinarias brasileiras foram construídas na década de 70, quando o produto ainda era importado e do tipo leve. Ocorre que, após a descoberta e início da extração na Bacia de Campos, as refinarias perceberam a necessidade de realizar adaptações, uma vez que o produto brasileiro era mais pesado.

Contudo, com a novidade das operações no pré-sal o petróleo do tipo leve também passou a ser obtido no Brasil, ao passo que as refinarias já haviam se adaptado para o tipo pesado. Em termos práticos, colocar um petróleo – que agora é leve - em uma refinaria que foi projetada para processar petróleo pesado, equivale a desperdiçar grande parte dos recursos e da otimização dos trabalhos.

Em segundo lugar, o Brasil também importa o petróleo e derivados com intuito de compor o famoso “blend”, que consiste na mistura do petróleo brasileiro com o de outros países, possibilitando um refino ainda mais apropriado para a nossa realidade.

A composição das qualidades dos elementos físicos e químicos distintos proporciona um aproveitamento maior na operação e no resultado do produto, cuja prática também é verificada em diversos outros países considerados autossuficientes.

Na terceira posição temos a influência dos preços.

A importação dos recursos, assim como a exportação, produz efeitos diretos na economia interna e externa do país, inclusive em termos de fixação do preço por litro, haja vista que a circulação de riquezas está intimamente ligada com o assunto. Fato é que diversos outros fatores influenciam nos valores cobrados nas bombas, como por exemplo a cotação do dólar e o preço do barril, ambos com variação constante.

O controle artificial dos preços e as políticas públicas tributárias também determinam em muito a quantidade a ser importada e exportada pelas refinarias Brasileiras, com ênfase voltada para a atuação da Petrobras.

Finalmente, a localização das refinarias é outro fator que incide pontualmente sobre a viabilidade ou não da importação. Noutras palavras, a maioria das refinarias situadas no país estão concentradas na porção leste de nosso território, com algumas poucas exceções, como é o caso da unidade de Manaus.

Ou seja, a depender da localização da refinaria, por motivos de logística e custo no transporte, a importação pode se apresentar como opção mais viável do ponto de vista econômico-financeiro, ainda com a alta do dólar e com o valor superior do Brasil.

Justamente pelo fato de o Brasil ser tratar de um grande importador e exportador de petróleo, algumas outras razões ainda influenciam na frequência das operações no país, mas acreditamos que essas são as quatro principais no universo petrolífero.

Fique por dentro de nossas notícias e atualizações. Acompanhe-nos nas redes sociais.

Kaio Nabarro Giroto, Advogado Associado na Amaral Brugnorotto Sociedade de Advogados. Graduado pelo Centro Universitário Antônio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente/SP. Pós-Graduando em Direito Civil e Processo Civil pelo Centro Universitário Antônio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente/SP. Membro convidado da ANADD.

Comente essa publicação

Fale Conosco