Publicações
Notícias
11 / Nov / 2021
Redução de lucros: Postos sacrificam suas margens diante da volatilidade no preço dos combustíveis.

Redução de lucros: Postos sacrificam suas margens diante da volatilidade no preço dos combustíveis.

Nos últimos meses o preço dos combustíveis vem alcançando patamares nunca antes vistos no mercado brasileiro. Com a nova política da Petrobras, que passou a acompanhar os preços do mercado internacional, e a escalada do dólar, motivada pela pandemia do coronavírus e as incertezas políticas de nosso país, os combustíveis sobem e prejudicam tanto consumidores, quanto os postos revendedores.

Em efeito cascata, o aumento no preço do Diesel tem consequência direta na inflação, tendo em vista que o transporte rodoviário é o principal sistema logístico utilizado para escoamento e movimentações de cargas. Em outras palavras, aumento no custo do Diesel afeta toda cadeia de distribuição, elevando o custo com fretes e operações de máquinas, que posteriormente são repassados aos consumidores.

Mas engana-se aqueles que pensam que os postos são os culpados pelos elevados preços dos combustíveis ou que se beneficiam diante dos recentes aumentos. Além da queda na demanda, em uma tentativa frustrada de manter os níveis de vendas pré-pandemia, os postos revendedores vêm reduzindo cada vez mais suas margens em busca de volume.

De acordo com dados disponibilizados pela ANP, postos de combustíveis de 25 das 27 unidades federativas apresentaram redução na sua margem na venda do Diesel, quando comparada a janeiro de 2021. E não para por aí, segundo os mesmos dados da ANP, 11 estados tiveram as menores margens registradas desde janeiro de 2013, um cenário caótico. Estes fatos trazem à tona o modelo de precificação equivocada que muitos postos utilizam, o de calcular a margem em centavos, e não em percentual.

E não para por aí, segundo os mesmos dados da ANP, 11 estados tiveram as menores margens registradas desde janeiro de 2013, um cenário caótico. Estes fatos trazem à tona o modelo de precificação equivocada que muitos postos utilizam, o de calcular a margem em centavos, e não em percentual.

Este erro prejudica sobremaneira o caixa dos postos, já que o custo de capital envolvido na operação de compra dos combustíveis aumentou demasiadamente nos últimos meses. Em um cenário ideal, a margem da revenda deveria ter acompanhado os aumentos consecutivos, porém, não é o que temos visto.

E ainda há aqueles que culpam os postos pelos altos preços nos combustíveis...

A Amaral Brugnorotto Sociedade de Advogados é especializada na defesa de interesses de Distribuidoras de Combustíveis, Destilarias, Transportador-Revendedor-Retalhista, Postos Revendedores e Empresas do setor de derivados de petróleos, contando com mais de 17 anos de experiência no setor para bem atender você e a sua empresa.

Autor: Vitor Sabag Machado, Graduando em Direito pela Universidade Paulista e Graduado em Administração de empresas pela Universidade Paulista.

Comente essa publicação

Fale Conosco